Palma Mater


Entre as primeiras plantas introduzidas no Jardim Botânico, presente de Luiz de Abreu Vieira e Silva a d. João, havia uma palmeira (Roystonea oleracea (Jacq.) Cook), que foi plantada pelo próprio Príncipe Regente. A partir daí, ela ficou conhecida popularmente como palmeira real ou imperial.

Em 1829, a palmeira floresceu pela primeira vez. Para que o Jardim Botânico tivesse o monopólio dessa espécie, o diretor Serpa Brandão mandava tirar e queimar todos os seus frutos. Entretanto, à noite, os escravos subiam na árvore, colhiam os frutos e vendiam, na clandestinidade.

Foi assim que a espécie se dispersou por todo o país, tornando-se mais conhecida até do que palmeiras da flora nativa. O espécime plantado por D. João recebeu o nome de Palma Mater.

Em 1972, a Palma Mater foi fulminada por um raio. Tinha, naquela época, 38,70 metros de altura. O tronco foi preservado e encontra-se em exposição no Museu Botânico. Em seu lugar, foi plantado outro exemplar, simbolicamente chamado de Palma Filia.

 

 

 

 

 

volta à página inicial